ECO2-TUTA - Avaliação da viabilidade ecológica e económica da produção em massa de agentes biológicos para combate a Tuta absoluta (Meyrick) (Lepidoptera, Gelechiidae), em cultura protegida, nos Açores

DESIGNAÇÃO DO PROJETO:

ECO2-TUTA - Avaliação da viabilidade ecológica e económica da produção em massa de agentes biológicos para combate a Tuta absoluta (Meyrick) (Lepidoptera, Gelechiidae), em cultura protegida, nos Açores

CÓDIGO DO PROJETO:

ACORES-01-0145-FEDER-000081

 

OBJETIVO PRINCIPAL:

Aumentar a produção científica de qualidade e orientada para a especialização inteligente.

Esta proposta de projeto de I&D aborda uma ideia e um conceito inovadores para Portugal. Numa colaboração conjunta com uma empresa privada (Anatis Bioprotection Inc.), pretendemos desenvolver um modelo para avaliar a viabilidade económica e financeira para a implementação, nos Açores, de uma bio-fábrica que produza agentes de controlo biológico (ACB) para controlar lagarta sul-americana mineira do tomate e assim abastecer o mercado local e nacional. Isto será feito após o desenvolvimento de trabalhos de investigação, laboratoriais e de campo, visando estudar os organismos nativos mais promissores, identificados nos ecossistemas dos Açores e em Portugal continental.

 

ENTIDADE BENEFICIÁRIA: Universidade dos Açores e a Fundação Gaspar Frutuoso

CUSTO TOTAL ELEGÍVEL: 176.382,60 €

FUNDO EUROPEU DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL (FEDER): 149.925,21 €

 

DESCRIÇÃO:

Na sequência da aprovação da Lei 26/2013, de 11 de abril, que regula a distribuição, venda e aplicação de produtos fitofarmacêuticos (...) e define os procedimentos de monitorização para a utilização de produtos fitofarmacêuticos (transposição da Diretiva 2009/128 / CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 21 de Outubro de 2000, que estabelece um quadro de ação a nível comunitário para uma utilização sustentável dos pesticidas, o controlo biológico comercial assumiu um papel importante na produção sustentável de culturas. No entanto, para atingir este objetivo, os serviços ecossistémicos fornecidos por organismos nativos devem ser vistos como uma alternativa viável para o controlo de pragas de culturas. A proteção das culturas por organismos nativos assume uma relevância ainda maior em ecossistemas insulares particularmente sensíveis à perda de biodiversidade devido aos impactos negativos da importação e libertação de agentes de agentes não-nativos.

Enquadrada nos objetivos AGR1 e 3 do RIS3, a operação associa a investigação aplicada e o meio empresarial, valoriza os recursos naturais e a sustentabilidade dos agroecossistemas e visa contribuir i) para a implementação de uma bio-indústria sustentável e competitiva que apoie o desenvolvimento de uma bioeconomia europeia, através da transferência de conhecimentos e competências científicas, tendo em vista incrementar a produtividade agrícola e ii) sustentabilidade ecológica dos agroecossistemas açorianos, proteção fitossanitária, segurança alimentar e saúde humana.

Esta proposta inclui seis tarefas, organizadas em duas componentes. A primeira componente consiste em quatro tarefas que visam: 1) identificar os mais promissores ACB nativos, associados a T. absoluta, 2) e 3) para avaliar as melhores condições bióticas e abióticas para criação em massa de ACB, 4) para avaliar sinergismos / antagonismos entre ACB e 5) a eficácia de libertação, sob uma estratégia aumentativa, de agentes biológicos. Na segunda componente, os dados recolhidos nas tarefas 1 a 3 serão disponibilizados aos investigadores envolvidos na tarefa que visa 6) determinar a viabilidade económico-financeira para a implementação da produção de agentes de controle biológico.

 

RESULTADOS:

2 Reuniões científicas; 5 artigos científicos a publicar em revistas internacionais; 2 artigos científicos a publicar em revistas nacionais; 2 Comunicações orais em congressos; 2 Relatórios técnicos, 1 Modelo, 1 Instalação Piloto e 2 Teses de Mestrado.

 

FOTOGRAFIAS: