PO Açores 2020 - FEDER
Acrónimo:VRPROTO
Centro de Custos:931
Código da Operação:ACORES-01-0145-FEDER-000078
Título:Virtual Reality PROTOtype: Historial Geológico da "Pedra-que-pica"
Início-Fim:01-09-2019 - 30-04-2023
Entidade Beneficiária Principal:Fundação Gaspar Frutuoso
Gestores da FGF: Lúcia Cláudio
Investigador Responsável:Carlos Alberto Sousa Melo
Unidades Orgânicas:FCT - Faculdade de Ciências e Tecnologia
Unidades I&D:CIBIO-A - Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos
EntidadeFundação Gaspar Frutuoso
Custo Total Elegível187.402,56 €
PO Açores 2020 - FEDER (85.0 %)159.292,18 €
Direção Regional da Ciência e da Tecnologia (15.0 %)28.110,38 €
Principais Objetivos:

Aumentar a Produção Científica de Qualidade e Orientada para a Especialização Inteligente. Este projeto multidisciplinar potência a investigação científica em SMA, transformando o conhecimento adquirido em valor económico através da produção de conteúdos turísticos inovadores. Enquadra-se nos eixos 1,3,6,8,10,11 do PO AÇORES 2014-2020 e insere-se na Estratégia de Investigação e Inovação da Especialização Inteligente da Região Autónoma dos Açores–RIS3 AÇORES, concorrendo a financiamento num dos eixos prioritários: o Turismo. Está de acordo com as diretrizes do Plano Estratégico e de Marketing do Turismo dos Açores e propõe-se contribuir para que SMA seja um destino de excelência para o turismo de Natureza, promovendo:

  1. a ilha através de um Protótipo de Realidade Virtual que será cedido à “Casa dos Fósseis”;
  2. a “Rota dos Fósseis”, permitindo o uso turístico sustentável do valioso património geológico/paleontológico e biológico que diferencia esta ilha das restantes
  3. expedições de campo a Santa Maria para obter novos dados de distribuição de espécies fósseis.

 

Descrição do Projeto:

Para além de todo o conhecimento científico que resultará deste projeto, o objetivo principal é a construção de um Protótipo de Realidade Virtual que contará a história geológica da jazida de relevância internacional da Pedra-que-pica, localizada na ilha de Santa Maria. O protótipo de aplicativo de computador de realidade virtual envolve uma sequência de subtarefas, a saber:

1) uma pesquisa inicial da modelagem 3D com tecnologia de Aerofotogrametria (obtida através de drones) e tratamento de conversão de pontos Cloud para FBX;

2) Desenvolvimento do projeto de Realidade Virtual do afloramento da Pedra-que-pica envolvendo: a) Criação de bilíngue de gráficos de movimento; b) Modelação 3D; c) Texturização; d) iluminação; e) animação; f) renderização; g) composição;

3) Criação de filmes em 360° envolvendo a) Edição; b) renderização;

4) Criação de um Aplicativo de navegação para desktop, com conversão de polígonos e texturas + APP. Esta aplicação para computador será projetado para ser amigável e consistirá em óculos (rift-glasses) ligados a um computador, permitindo uma imersão total na realidade virtual 3D do usuário, permitindo que ele assista e interaja com os 4 milhões de anos de História da “Pedra-que-pica”. A sua portabilidade permite a sua utilização nas escolas açorianas, caso o Governo Regional considere a ideia interessante.

Resultados:

Vão obter-se os seguintes resultados:

  1. É usado o conhecimento da geologia, paleontologia e biologia de Santa Maria, para a produção de conteúdos turísticos e de uma aplicação computacional para a “Rota dos Fósseis”+“Rota dos Centros de Ciência”.
  2. Será entregue ao Centro de Ciência “Casa dos Fósseis”, sem custos, um protótipo de Realidade Virtual acerca da “Pedra-que-pica”, uma jazida de relevância internacional;
  3. Vários artigos científicos e livros de divulgação científica;
  4. Aumento do espólio científico da “Casa dos Fósseis”:
  5. 3 workshops “Paleontologia em Ilhas Atlânticas” a realizar em Santa Maria;
  6. Várias comunicações orais em congressos internacionais.

Albúm


Evidências/Publicações