Interreg MAC
Acrónimo:MIMAR+
Centro de Custos:940
Código da Operação:MAC2/4.6d/249
Título:Monitorização, controlo e mitigação da proliferação de organismos marinhos associados a perturbações humanas e alterações climáticas na Região da Macaronésia
Início-Fim:12-11-2019 - 31-12-2023
Entidade Beneficiária Principal:Fundação Gaspar Frutuoso
Gestores da FGF: Vera Cordeiro
Investigador Responsável:José Manuel Viegas Oliveira Neto Azevedo
Unidades Orgânicas:FCT - Faculdade de Ciências e Tecnologia
Unidades I&D:GBA-cE3c - Grupo de Biodiversidade dos Açores
EntidadeFundação Gaspar Frutuoso
Financiamento Total147.380,44 €
Interreg MAC (85.0 %)125.273,37 €
Direção Regional da Ciência e da Tecnologia (15.0 %)22.107,07 €
Principais Objetivos:

O projeto MIMAR+ está alinhado com a Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 e com a área temática do Mar e Pescas da RIS3 Açores. No que respeita à Estratégia Nacional, os Açores são considerados um ativo estratégico central para a Economia Azul Nacional, pois são incentivadas iniciativas que visam uma melhor compreensão e utilização dos recursos vivos e não vivos.
Não que eu diga respeito ao RIS3, este projeto está diretamente relacionado com a prioridade estratégica MAR3, cujo objetivo é fomentar relações de colaboração e promoção de atividades inovadoras relacionados com o mar. Além disso, ou MIMAR + contribuiu para concretizar a ambição, consubstanciada na Estratégia de Especialização Inteligente, de fortalecer ou posicionar os Açores como centro nevrálgica da investigação relacionada com o Mar

Descrição do Projeto:

Tal como se verificou com a execução do projeto MIMAR, vários estudos científicos têm demonstrado um processo acelerado de tropicalização da biota marinha na zona macaronésica, correlacionado com o aumento da temperatura da superfície do mar. Isso tem favorecido a chegada de espécies de áreas tropicais e a expansão natural de sua distribuição. Desta forma, novas espécies povoam os habitats marinhos, podendo modificar os ecossistemas e afetar os usos e atividades da costa, e a saúde humana. Esses organismos chegam por meios próprios ou favorecidos pelo transporte marítimo. Para conservar a biodiversidade e proteger a saúde dos habitantes da região, é necessário conhecer e dimensionar as alterações que se estão a «produzir nos habitats mais relevantes, identificando as novas ameaças à saúde e às atividades humanas com a execução» do projeto MIMAR, agora é necessário aprofundar a detecção precoce e ação.

Albúm


Evidências/Publicações